19 de junho de 2015

hey Nana

(desconheço autoria)


Quero fugir do meu corpo toda vez que lembro de você.
T u d o  d ó i. 
Sinto uma necessidade assustadora de desaguar.
A leve chuva na madrugada, o cheiro que recorda um antigo carnaval,
a tv no mudo quando os olhos embaçados nem sabem o que veem, 
a pizza de ontem no café da manhã. O choro diante de qualquer banalidade. 

A verdade é que fui perdendo muitos pedacinhos de mim ao longo dos anos.
Mas você, você tirou o maior deles.

Dizer adeus não era suficiente. 
Você precisou destilar sua sujeira, me marcar o mais fundo possível, 
com uma maldade que eu desconhecia. 

Não te amo mais, eu acho, porque te amar seria masoquismo.
E por falar em amor, em que momento você deixou de me amar?
Deixa pra lá, não quero saber, foi no inverno passado, certo?
Não importa, nem acredito que realmente amou. 

Mas acreditei por muito tempo, alguns anos e outros meses, 
que a vida reservava o melhor pra gente. Uma sonhadora, dois perdidos.
Eu só queria proteger você de você mesmo, mas eu esqueci de mim. 
Estou pagando meus pecados por ter te amado demais, 
a única dívida que sobrou é não saber como, nem querer te perdoar, 
nunca nunquinha.

Eu, mais bagunçada que meus rascunhos, imersa em arrependimentos 
e erros, não sabendo lidar com o que tem por dentro.
Cansada, mente e alma fragmentadas. 

Quantas vezes um coração aguenta ser partido? A segunda vez é ainda pior. 
(Parece que não aprendi nada). 

Nadine 

escrito ao som de
feito pra acabar

18 de maio de 2015

Para você que nunca mereceu uma letra

Calvin Voichicoski 

por Beatriz Marques

Para você que nunca mereceu uma letra minha, hoje recebe esta carta inteira. Não deveria partir de mim a iniciativa de alguma conversa, até porque eu exclamei não querer mais ver a sua cara quiçá escutar alguma explicação em vão sua. Na verdade, eu não queria acreditar, como eu faço sempre, na realidade lixo. Costumo dizer que eu tenho a sorte de ter ótima memória para coisas boas e com o tempo, vou aniquilando as mágoas que só fazem alimentar aquela impotência dentro da gente. Minha memória foi num caminho de mão única com você. Digo isso porque não acordei um dia sequer até hoje sem lembrar o que houve. Eu não te odeio se é isso que está passando pela sua cabeça agora, nunca quis me vingar também. Nós éramos infantis, imaturos, cada um com sua vida brilhante de purpurina onde merda alguma de ruim acontece. No máximo a mãe briga porque você chegou tarde em casa, nunca - nunca - algo em você pensa em se matar para dissipar tanta dor. Veio então você, pisou no meu castelinho de areia, jogou na minha cara e anda por aí como se nada tivesse acontecido. Perdoar é algo que tormenta. Alguém que concede o perdão a aquele que implora é, no mínimo, viável. Aquele que faz o mesmo sem escutar nenhum estilhaço de coração quebrado ao pé do ouvido é burro ou divino. O que acontece é que não sei com que frieza conseguistes continuar sorrindo enquanto seguravas um punhal nas mãos atrás das costas. Saiba que eu não preciso de você. Nunca precisei em momento algum, e não seria agora depois de tudo isso que eu continuaria sofrendo pela sua falta. Sofri sim, pela mentira, pelo pingo de consciência pesada que você nunca conheceu. Agradeço muito a você por todas as noites que me fizestes chorar, por todos os pensamentos ingênuos que eu tive, pelo martírio que passei ao me enganar dizendo que você nunca faria isso comigo. Agradeço por você não ter vindo saber como eu estava, por continuar com esse sorrisinho medíocre que me fez perceber que quando a vida está bela são seus olhos que a fantasia de contos de fada, porque ela, na verdade, continua a mesma garrafa de veneno de sempre. Agradeço por ter continuado exatamente a mesma pessoa que és. Hoje eu vejo o que seria de mim caso continuasse ao seu lado. Obrigada mesmo por aquele abraço. Aquele que eu não consegui retribuir pela falta de cinismo dentro de mim, e pela merecida falta de amor. Espero sinceramente que seus dias não tenham tomado o rumo dos meus. Caso isso aconteça, aí vão algumas dicas: quando você sentir que está sendo enganado, não ache que é o seu lado negativista falando - você é realmente estúpida. Quando você chorar até não ter mais forças e querer dormir para não acordar mais, aprenda a fumar e virar doses incontáveis de tequila. Faça um blog e comece a expurgar todas as suas dores, quem sabe alguém que se sinta tão solitário quanto você vá se identificar e se sentir mais amparado no mundo. Aprenda a amar você, seja um pouco egoísta, esqueça um bocado dos outros - os poucos que merecem não precisam do seu amor 24h como os que apenas sugam seu oxigênio. Caso nada disso funcione, tente morrer e nascer de novo após mandar uma carta como esta. Se apaixone por alguém, dê adeus ao seu medo, tire os monstros do armário e cresça. Amadureça, evolua. Funcionou comigo. Quem sabe um dia sirva para alguém como você.


notas por mim: (I) já te perdoei muito na vida, hoje, não sei o que é isso; (II) sobre amar a si próprio, egoísmo e se apaixonar: você entende melhor que ninguém; (III) não merecia uma letra, e ainda assim te escrevi tanto o que eu sentia ):