sábado, 4 de outubro de 2014

Pierrot


Uma temporada no inferno.
O amor precisa ser reinventado.
Vida real é outra coisa. Séculos incontáveis atravessam à distância, como tantas tempestades.
Eu a abracei forte e chorei.
Foi nosso primeiro, nosso único sonho.

Vá embora.
Nunca.
Enquanto eu seja "eu".
E você seja "você".
Enquanto o universo segurar nós dois.
Eu, que te amo.
Você, que me rejeita.
Enquanto quisermos correr.
Parece muito com o destino.

Olhos: Paisagens humanas.
Boca: Onomatopeia que termina sendo linguagem.

Por que parece tão triste?
Porque você fala comigo com palavras, e eu te olho com sentimentos.
Conversar com você é impossível. Você nunca tem ideias, só sentimentos.
Eu tinha razão cinco anos atrás. Nós nunca nos compreendemos. 

Ferdinand + Marianne em Pierrot le Fou (1965), de Jean-Luc Godard.


*Título nacional: O demônio das onze horas.

terça-feira, 30 de setembro de 2014

Retalhos

   Fernanda Paes - iincompreendidos


Você quase me fez acreditar

que no meio dessa bagunça você me escolheria. E se tivesse escolhido, eu seria para sempre a escolha errada. Entre tanto e eu... você escolheria o nada ao invés de mim; e que me amaria a qualquer custo, sem rejeitar meus defeitos. Não te culpo. Como aceitar meus dilemas e conflitos internos, se nem eu mesma consigo? Não fui seu tipo de clichê favorito para você me incluir nos seus planos, bobos e fantasiosos, e ainda assim quis fazer parte deles.

Eu quase me fiz acreditar

que não te usaria como âncora para fixar nos meus pensamentos e escrever essas bobagens. Dos meus desamores, você é o único que não merece fazer parte das minhas curvas linhas; e que a saudade não vale a pena. Só levo o arrependimento, morena. Arrependimento é um tormento irremediável. 

Erllen Nadine

Bilhete de bolso II

Te envenenei com meu egoísmo.
No seu coração não há mais espaço para o meu afeto.
Estou partindo, primeiro em pedaços,
depois para longe de você.

N.

Rayane Ribeiro - Maria Mole