dezembro 29, 2010

Última prece do ano


"Apronto agora os meus pés na estrada. Vou ali ser feliz e não* volto." (Caio F.) 
                        
Arrume as gavetas. Jogue fora o choro contido. Pegue carona com o vento e vá atrás dos sonhos. Rasgue o calendário velho e riscado com as datas contadas. Se possível, rasgue os velhos amores também, aqueles que doem. Ponha açúcar na vida, como se não existisse amanhã, porque um dia não existirá. Agradeça mais, perdoe mais, AME mais. Acredite no impossível. "Só o impossível me interessa". Deseje o mundo melhor, não só na meia noite de sexta, mas sim em todas as manhãs que você acordar. Agora, siga todas as luzes em frente.

Erllen Nadine

Para todos: Feliz ano novo. Paz, amor, empatia.

"Se me desse um último pedido, um único desejo: ainda assim eu escolheria você." (Tati B.)

dezembro 26, 2010

Quase

Aquele ar de mistério continuava no ar.

Quando penso em você, abro sorrisos com pedaços
de sol de uma ponta do rosto a outra.

Quase paro de sentir dor.

dezembro 18, 2010

Dos diálogos que não aconteceram

Brilho Eterno de Uma Mente Sem Lembranças

No rádio tocava Conversa de Botas Batidas. Havia duas xícaras
vazias, olhos encharcados e corações (pre)enchidos:

Parece que algo dentro de você sempre sabe a hora certa de dizer adeus.
Talvez por isso eu tenha desistido. Tanto tempo.
Meses. Para ser mais clara: 15 meses.
E o que você fez?
Eu estava por aí. Esqueci o caminho de casa. Eu só sabia o nome da sua rua.
Também esqueci algumas coisas. Esqueci meu signo. Mas sei que somos ascendentes.
Você lembra do meu 2° nome? Eu deixei ele escrito nas suas roupas.
— Eu nunca apaguei ele de mim. E se eu pudesse voltar atrás?
Não pode. E se pudesse, faria tudo de novo. Eu conheço você.
(Silêncio)
Só queria que soubesse: De tudo que eu esqueci, eu não esqueci você.
Nem eu.
(Silêncio)

Erllen Nadine

dezembro 16, 2010

II - das cartas que não são enviadas

Bem meu, para você, meu bem.

Eu quis te mandar um desenho, aquele desenho engraçado que você fez numa folha amassada, e havia também uma data, escrita em um guardanapo. Afinal, eram lembranças, eu queria que você ficasse com elas. Meu erro foi querer te proteger de qualquer mal que pudesse lhe alcançar. Eu não desisti, mesmo sabendo que daria errado, porque era você. Você. Eu quis te contar do estrago que a dor fez, mas quando vi você na minha direção, esqueci dos cortes. Mas o teu silêncio falou mais alto. Fui pela estrada torta, você pegou a contramão. Tranquei teu amor dentro de mim e entreguei as chaves para Deus. Sinto falta do "eu te amo" que você nunca me falou; e que eu disse, mas você não ouviu, porque já tinha dobrado a esquina.

Tô te esperando, principalmente aos sábados;
às 18 horas, na rodoviária de sempre.


Erllen Nadine

dezembro 10, 2010

Febre de todas as cores


O teu calor causava febre no meu corpo.
Quando você foi embora, cessou.
Eu já não sentia o teu amor arder.
Mas então, deu-se início a uma enorme dor.
A dor era tanta, que até as flores da vizinha sentiam;
devia ser, já que todas elas murcharam.

Erllen Nadine


Título: de um poema da Alice Ruiz.

dezembro 07, 2010

♪ Sobre uma garota

Nadine

"O que há dentro dela é alguma coisa mais forte que o amor que se dá 

e o que há dentro dela exige mais do que o amor que se recebe."
(Clarice Lispector)

Ela disse uma vez, que queria regar esse Sertão, com as lágrimas que já saíram dos seus olhos castanhos. Eu disse várias vezes, que queria espalhar o riso dela nos meus dias difíceis, como música. Ela fez do tempo seu amigo, e transformou medo em armadura, para enfrentar correntezas e noites sem estrelas. Fez dela mesmo seu próprio caminho, para se encontrar, toda vez que se perdesse.

Erllen Nadine

dezembro 06, 2010

Verbos não encontrados no dicionário

 M. F. e E. N.


"Não ir embora: Ato de confiança e amor." (Markus Zusak)

Para "meu amor das pernas finas"

Você continua sendo meu amigo de sempre, mesmo não mais existindo palavras entre nós. Não vou me esquecer dos rocks, das gargalhadas, o cigarro e a vodka, os desabafos, o parque de diversão. E no Carnaval, enquanto todo mundo pulava, eu chorava nos seus braços e abraços aquele amor perdido. Chorei na sua frente muitas vezes depois, porque era você, o único que me entendia. Mas a distância e outras pessoas nos partiram, em dois, quando deveríamos ser um.

Me diz, existe algo que seja para sempre? Mas eu sei, os sentimentos ficam, mas as pessoas, ah!
As pessoas é que vão embora.

de sua "musa" Erllen Nadine


"Às vezes eu tenho vontade de ter outra vez um amigo como aqueles que a gente tinha na adolescência. Aqueles pra quem você contava tudo, absolutamente tudo. E que no fim você nem sabe mais se é amigo ou irmão." (Caio F.)