junho 12, 2011

Pra destilar terceiras intenções

"Mas você me chama pro mundo,
e me faz sair do fundo de onde eu tô de novo."
(Marcelo Camelo)


(Ele) Fazia mais de um mês que eu cantava no bar da rua Chile. Los, Buarque, Camelo, Cazuza, Legião e algumas músicas minhas. Nesse tempo, comecei a observá-la. Quando ela passava, com seu jeans surrado, salto e aquele perfume, tirava minha concentração. Chegava e saía só, bebia algumas doses, vodka? ficava na última mesa do lado esquerdo; acendia um, dois cigarros. Eu me sentia incomodado quando alguém tentava aproximar-se dela. Passei a contar os dias, sempre esperando o sábado.

(Ela) No início, eu ia por causa das músicas, da bebida, do esquecimento; depois, era por causa dele. Há muito tempo eu tinha jogado o coração na lixeira, então era estranho, sentir-se assim: como se eu só soubesse quem eu era, quando aquele desconhecido estava por perto. Eu queria ir até onde ele estava, nem que fosse pelo caminho mais longo, porque assim, haveria tempo se eu pensasse em desistir. Não pensei em nada quando fui até ele:

Oi?
Ooii.
Ele disse, com a voz trêmula.
Posso te pedir uma música?
Po-de. Cla-claro que pode.
Ele disse, sentindo-se um bobo.
Eu sorri, e pedi:
Medieval II.
Depois agradeci.

"(...) Mora em mim, que eu deixo as portas sempre abertas, onde ninguém vai te atirar as mãos vazias nem pedras. (...) Mas a vida sempre brinca comigo, de porre em porre, vai me desmentindo." (Cazuza)

A partir desse dia, trocamos nomes, endereços, palavras com olhares e olhares sem palavras. "Eu tenho que ir embora agora. Você vem comigo?" Ela perguntou. Eu respondi que "sim". Eu diria milhões de vezes "sins". E quando eu comentei sobre a chuva, ela disse "a gente enxuga a chuva com nossa roupa" e sorriu; foi então que eu a amei pela milésima vez.

Eu vi meu reflexo nas lentes dos óculos dele, descobrindo verdades; enquanto suas mãos queimavam-se no meu corpo em brasa. "Pra destilar terceiras intenções". Pra desbotar lençóis, feitos com poemas de amor.

Erllen Nadine


*Título: Retirado da música Codinome Beija Flor (Cazuza)


19 comentários:

  1. lindo, lindo e lindo
    *-*
    perfeito demais!
    amei pela milésima vez suas palavras!

    ResponderExcluir
  2. Fala sério, essa garota escreve muito. A ABL precisa conhecer isso aqui. Se bem que na minha opinião até isso seria pouco

    ResponderExcluir
  3. amei pela milésima vez suas palavras! [2]
    e como amei!

    Erllen Nadine, juro que se vc publicar um livro,
    irei até ai pra te pedir um autografo! *--*
    ta perfeito cara, como sempre! ;]

    beeijoca Moça ;*

    ResponderExcluir
  4. Nossa eu estava cantando essa música o dia inteiro hoje
    Codinome Beija- Flor *-*
    É linda

    ResponderExcluir
  5. Poeta do vento.. colores de vida a vida comum..
    parabéns *

    ResponderExcluir
  6. Devias escrever com mais frequência... rsrsr
    abraços

    ResponderExcluir
  7. E depois do meu milésimo suspiro, consigo redigir alguma coisa; qualquer coisa que consiga expressar os efeitos desse teu texto em mim.
    É um texto que passa pelos olhos e se instala direto na memória, para ser lembrado depois quando eu ver qualquer coisa com traços sinestésicos que o puxem de volta ao milésimo suspiro antes desse comentário meio torto. Sem muitas palavras Nadine, as suas já são tanto em poucos números, e encantam por demasia.

    ResponderExcluir
  8. Eduardo e Monica...


    bjos querida
    otima semana!
    saudades

    ResponderExcluir
  9. Ah, me faz falta esse teu encanto todo, esse amor colocado em palavras de uma maneira que ninguém conseguiria repetir. Difícil é comentar aqui, me dá vontade de ficar relendo. É como se a vida ficasse em stand-by enquanto se lê, e a única coisa que importasse fosse a beleza do texto. E pra falar a verdade, é isso mesmo. Saudade dos seus textos, Nadine. Como sempre, fico meio desestruturada quando leio eles. Beijos!

    ResponderExcluir
  10. Quantas citações lindas num texto especialmente doce!

    E me diga uma coisa: que poesia é essa no background?

    beijo!

    ResponderExcluir
  11. Texto lindo, Nadine, mas uma vez sua palavras me encantam. Principalmente com a parte do "A partir daí trocamos nomes, endereços, palavras com olhares e olhares sem palavras"

    Pensamentos bem abertos e a criatividade na ponta dos dedos na hora de digitar, essa é a Nadine :D
    rsrsrsrsrsrs...

    ResponderExcluir
  12. Nadine,tem um selo pra vc no meu blog ;D

    ResponderExcluir
  13. Descobrem-se verdades quando se olha nos olhos e no coração.
    Beijos :*

    www.sabrinanunees.blogspot.com

    ResponderExcluir
  14. Fiquei encantada!
    Mas a vida sempre brinca comigo, de porre em porre, vai me desmentindo..
    ai Cazuza!!!rs

    beijos meu bem, gostei muito também do novo visual...

    ResponderExcluir
  15. Tudo lindo! Tudo com jeito doce.
    Amei! Amo esse teu jeito leve de escrever.
    Fazia tempo que não lia teus escritos. E foi bom encontrar esse texto.

    Beijos, Nadine.

    ResponderExcluir
  16. Que lindo, eu amei.
    A música de Cazuza me fascina, me encanta, me faz delirar. Que lindo a história, amei muito.
    Tava com saudade disso tudo aqui.
    Beijos Ná, querida!

    ResponderExcluir
  17. Amo esse texto Flor, amo, amo, amo!
    "E quando eu comentei sobre a chuva ele disse "a gente enxuga a chuva com nossa roupa" e sorriu; foi então que eu a amei pela milésima vez.
    Tenho tantas saudades desses amores verdadeiros, sou muito grato a Deus por já ter vivido alguns e tenho certeza que outros virão.
    Nunca te disse, mas esse foi o primeiro texto pelo qual eu me apaixonei.
    Beijos

    ResponderExcluir

"Um sorriso que derreta satélites e corações gelados."