agosto 09, 2011

III - diário de agosto

Chez Fifi
Naquele tempo, a cozinha tinha cheiro de cravo e canela. Hoje é meu chá favorito. E tentavam me explicar o que eu sentia, disseram que se chamava saudade e que logo passava. Mas eu sempre fui desconfiada demais pra acreditar na segunda parte. Ele deixou um livro esquecido em cima da mesa, acumulando poeira; criando desprezo por não ter sido lido, tragado, sentido - até o final. Intocado, junto com nome daquele que o esquecera. Só te procurei em sonhos, lembranças e as velhas coisas que não existiram. Havia vontade, mas não havia pulso forte, pra bater em uma porta que não era a minha. A gente sempre vai ser como aquele livro: nunca tivemos um final. Acumulamos poeira, bem antes de termos um começo.

Erllen Nadine

"Angústia adolescente pagou muito bem, o lendário divórcio é tão chato. 
Enquanto meus ossos cresciam eles doíam. 
Eu só quero que saiba que eu não te odeio mais. 
Não há nada que eu poderia dizer que não disse antes." (Nirvana)

12 comentários:

  1. Eu ainda não comentei nenhum texto desse diário. Mas não é por desprezo e muito menos por desaprovação. Eu continuo sendo seu maior fã rs.

    Mas todos eles, talvez um pouco menos esse, me deixaram confuso. A ponto de não saber o que comentar. Ainda existem coisas que preciso desvendar em você.

    ResponderExcluir
  2. Que lindo!! me fez lembrar de uma certa pessoa que habitou o meu passado..


    beeijos!

    Marcela Alves

    ResponderExcluir
  3. E essas coisas que ficam nas promessas, no imaginário têm muita força porque são protegidas pelo manto da idealização. E não tem realidade, por melhor que seja, que supere isso.

    Um beijo.

    ResponderExcluir
  4. "Pulso forte para bater em uma porta que não era a minha"
    Continuo a bater... todas as noite, em todos os sonhos.
    Tenho medo de não encontrar mais quem eu procuro do outro lado.

    "Acumulamos poeira, bem antes de termos um começo" Feito pra mim!

    Lindo texto.

    ResponderExcluir
  5. Também me senti um pouco confuso, apesar de captar a mensagem principal.

    ResponderExcluir
  6. Não é bom que a vida acumule poeira e tenha ponto final! É preciso superar os traumas!
    Tem selo pra você no meu blog, beijos :*

    ResponderExcluir
  7. P.s.: o post é sobre o meu "pai".

    ResponderExcluir
  8. Hoje eu só to me lembrando de uma pessoa lendo todos esses post's, de todos os tipos de amores...
    de uma forma ou de outraa alguém deixa escapar um sinonimo ou uma intenção de mal acabado... E eu fico aqui com esse sentimento mal vivido, ele chegou, entrou antes mesmo que eu pudesse me dar conta de que era o que eu tinha pedido... E é isso. No fim... a gente tinha acumulado muita poeira antes de começar o livro. Obrigada pela reflexão. Tudo a ver comigo.

    Abraço!
    @juhhouse

    ResponderExcluir
  9. "A gente sempre vai ser como aquele livro: nunca tivemos um final. Acumulamos poeira, bem antes de termos um começo." Adorei o III texto, bem profundo, sumi por alguns dias, mas apareci de novo :)

    ResponderExcluir
  10. Não sei porque, coisas sem final me fascinam. Adorei o texto, e que alguns cheiros sejam preservados.

    Um grande beijo, flor. :)

    http://amar-go.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  11. É, tá passando.
    Mas sabe Nadine, em algum tempo, eu e você estaremos aqui conversando sobre as sensações que tivemos ao ficar do lado dos nossos amores.
    Você vai ver :D

    ResponderExcluir
  12. Tô acompanhando o diário de agosto. Senti uma extrema saudade de alguém que já está tão distante.
    Tudo que escreveu é lindo. Parabéns.

    ResponderExcluir

"Um sorriso que derreta satélites e corações gelados."