setembro 19, 2011

Primeiro vazio


O piano não trazia mais suas belas melodias, os sonhos do guri estavam picados como papéis velhos e sem importância, os olhos estavam úmidos, turvos e distantes, de tantas ilusões e decepções. Tudo se tornou cinza e gelado.

Entrei pela porta da frente, sem fazer barulho, para observá-lo. Ele não me viu, mas podia sentir-me. Aquele frio me desagradava, aquela dor me corrompia. Olhei seus gestos, seu choro, sua voz no meio da noite. Desculpa por não poder fazer nada agora. O silêncio já havia roubado seu sono.

Os pensamentos dele agora eram nublados, opacos, sem brilho e sem vida. Ele não queria sentir novos ventos ou sons de outros lugares, queria a cabeça sobre o peito, queria a pele, o gosto, o abraço e as mãos. Tinha vontade de petrificar Julho e sempre olhá-lo da mesma forma. Olharia a cada inverno, amaria a cada primavera, incansavelmente. Doía olhar os retratos e descasos da garota, sentiu medo do que seria de agora em diante. Se atreveu a inventar e agora não conseguia esquecer e muito menos fugir do tal do amor.

Eu o fiz acreditar que fazia parte da vida dele, e por isso, era impossível esquecer; todos os meus acordes já estavam em sua mente.
O guri lembrou do dia em que jantaram juntos. Tomates e grão de bico, penne e bife. Lembrou do violino e quase ouviu "Nearer My God To Thee" tocada na sala (por ela) e sentiu vontade de chorar. O primeiro vazio chegou acompanhado de Agosto. Guardaria as mágoas entre os livros e as besteiras, mas sozinho não era possível, ele precisava de ajuda para isso. Pediu uma mão e depois a outra: — Por favor, não vá.

Enquanto eu ouvia o pedido, de socorro talvez, deitei-me na sala, para fazer
companhia as fotos, e pedaços de coração espalhados pelo chão.

Ele então continuou a pedir... pediu perdão, pediu um recomeço:
— Estou aqui, me perdoa. Podemos colocar nosso corações para secar lá fora, no sol.
Pediu um sorriso e mais um carinho na nuca:
— Não faz assim, sinto sua falta.
Mas a porta se trancou e ele ficou para fora:
— Não quero mais. Pare de me ligar, não ache que estou ao seu dispor, me deixe. Não me esqueceu ainda? Já te esqueci.

Aquelas palavras também me deixaram atormentado. Se ela
estivesse de coração aberto, eu teria me afundado no teu peito.

O guri pediu a Deus que o dia voltasse ao início novamente, assim ele arrumaria seu quarto, beijaria sua mãe novamente, assistiria um filme francês, tomaria um bom vinho, mas não cometeria o mesmo erro.

O tempo é traiçoeiro para voltar atrás e deixar que alguns erros sejam apagados. Eu vou e volto. O tempo não. Prazer em conhecê-los: Amor.

Nadine e Fabricio

II- Introdução
I - Prólogo

15 comentários:

  1. "ninguém pode voltar no tempo"
    linda parceria, amei *-*


    aaah náa, acho que estou de volta com meu blog, rs

    ResponderExcluir
  2. Todos os textos da parceria, estão de chorar.

    ResponderExcluir
  3. Eu amo tudo que escreves. E tudo que não escreves também. Em parceria ou só,eu te idolatro !

    ;*

    ResponderExcluir
  4. Esse tal amor fode qualquer um mesmo. ;x rsrs'
    Vez em quando da uma vontade mesmo, de voltar no tempo e consertar as coisas.
    Pena que não podemos, acho né. rs

    Estava lendo e imaginando as cenas. *--* kk

    lindo, lindo. ;D

    ResponderExcluir
  5. Comentei esse lá no blog do Eder. Repito aqui (e mais uma vez...rs) o quanto é bom ler vocês.

    Beijinho.

    ResponderExcluir
  6. que lindo =))

    to seguindo aqui, segue o meu? =D

    www.foiporquerer.blogspot.com

    ResponderExcluir
  7. seguindo seu lindo blog
    me segui tbm http://intensamenteamor.blogspot.com/ bjuss

    ResponderExcluir
  8. Thaaaai *-* Fico feliz que esteja voltando!
    Lu, que bom que te emociona rs.
    Andy, eu te amo *;
    Pois é Sah, é uma pena que o tempo não volte,
    para consertamos certas coisas...
    Obrigada Luna! :)
    e sejam bem vindos novos seguidores, Davi e Itauanne.

    Obrigada aos 300 seguidores, nem acredito rs.

    ;*

    ResponderExcluir
  9. Já fiz muitos textos em parceria... como monologo... E eu acho apaixonante por demais.

    Parabéns pelo post junto com o Fabrício.

    Bjs

    hubnerbraz.blogspot.com

    ResponderExcluir
  10. Nadine os amores que dão vida, são os mesmos que matam.
    Escreveu cada palavra com perfeição.
    Beijo.

    ResponderExcluir
  11. Obrigado a todos pelos comentários =D. Andei inseguro durante muito tempo, achava que só escrevia besteiras. Cada elogio desse significa muito pra mim. =D

    Beijos e abraços!

    ResponderExcluir
  12. Demorei tanto para ver seu comentário, mas resolvi vir aqui responder.
    "Você não me conhece, mas acho que você é amiga de uma amiga minha da internet rs, Ninah, de BH. É? rs"
    Mais ou menos. Não é de hoje que eu vejo seu nome, seu rosto, mas principalmente, suas palavras por aí. Creio que tenhamos mais amigos/conhecidos em comum da comunidade do Caio do que a Ninah.

    Um beijo.
    PS: Como tu diz coisas lindas.

    ResponderExcluir
  13. oi...
    que legal seu blog
    gostei muito!
    Estou seguindo

    me visita?

    bjos

    http://rgqueen.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  14. Oi querida
    to fazendo um desafio no meu blog, e gostaria muito que vc participasse, as incrições vão até dia 01. Vem lá dar uma olhadinha!
    Ta aqui o link:
    http://asoonhadora.blogspot.com/p/entre-cartas-e-cancoes.html
    Deus abençoe

    ResponderExcluir
  15. Fiquei encantada com tudo que li por aqui! Blog lindo e textos mais belos ainda. Tenha certeza que conseguiu mais uma fã e assídua leitora. Estou seguindo. Beijos, Bia.

    ResponderExcluir

"Um sorriso que derreta satélites e corações gelados."