outubro 16, 2011

Uma história de amor

1999

"O que me lembro do primeiro show era isso: Um lugar muito
pequeno, apertado, e só conhecidos." (Bruno Medina)

Naquele tempo, eu tinha 8 ou 9 anos, lembro bem da música que tocava em todo lugar, mas eu nem sabia quem eram aqueles barbudos que alguns anos mais tarde iriam ganhar meu coração. Na pré adolescência eu procurei refúgio, em guitarras barulhentas e letras que explicassem que eu não estava sozinha, para suportar o peso de crescer sem ela. Nasci para a poesia deles, junto com um cartão que vive dentro de um livro de Shakespeare, com uma canção de um tal Marcelo Camelo.

O primeiro disco me faz pular em cima da cama, já cantei Quem Sabe aos gritos para alguém que agora é desconhecido. O Bloco veio diferente, e este, não me deixa ser só; com retratos, sentimentos e carnavais que nos acordes nunca terão fim. Aí, Ventura, Ven-tu-ra é meu orgulho! Minha obra de arte favorita, meu verdadeiro Último Romance. Foi com este, que minhas cores voltaram ao lugar. Tanto o que dizer que falta palavras. Do início ao fim, sem pausa, só repetições, "um vento favorável". 4, todo azul, escutar Dois Barcos é navegar em lágrimas, é afundar-se para dentro de si mesmo. Tinha um tom de despedida? Eu não estava lá, mas eu vi.

Nada a comentar sobre o hiato - essa dor de pedaços. Os dois shows que eu fui do Marcelo foram incríveis. Abraços, fotos, autógrafos = inesquecíveis. Mas nada se compara a emoção de apreciá-los juntos 1 ano atrás. Fez-se (um) Mar de gente, um sufuco dentro de um sonho. Os 4, porque eu precisava disso aqui.

- Pra que minha vida siga adiante, Erllen Nadine

2006

13 comentários:

  1. Meeeeeeeeeeeus! ♥

    "(...) Nossas músicas apenas seguem o norte que aponta o coração e é por saber disso que novamente içamos nossas velas a espera de um vento favorável, um vento bom que nos leve adiante." (Bruno)

    ResponderExcluir
  2. Li o outro post, sobre a amiga.

    Chorei.

    Lindo, como tudo aqui, sempre vibrante, mesmo quando fala em perda e dor.

    Um beijo, Nadine.

    ResponderExcluir
  3. Faz parte da minha vida também... sempre me aventuro a escutar outros sons, e até gosto de outros. Mas é incrível como sempre volto pra eles.
    Conheci com Ana Júlia, estava no terceiro colegial, não curtia muito naquela época, vim realmente conhecer uns 3 anos depois.
    Incomparáveis.
    A última banda que eu sabia cantar todas as músicas do disco e escutava incansavelmente era Legião.
    Los barbudos são mágicos e torço todos os dias pelo retorno deles.
    Um beijo.

    ResponderExcluir
  4. Fui no show de Recife, um ano atrás e que delícia! AH QUE DELÍCIA o som desses barbudos :)

    ResponderExcluir
  5. Tudo bem, eles são seus, porque não ou quebrar seu encanto e pedir pra dividir comigo ok?
    Ok, eles são só um pouquinho meus também, mas bem pouquinho ok? Pra você não ficar com ciúmes.
    Aqui, no meu peito também jaz um amor INCONTROLÁVEL por esses 4 que sabem poetizar uma bela canção. Sou completamente da música "Sentimental", sabe aquele choro que a prende por dentro pra não deixar sair? É, é assim quando escuto essa música. E sabe, parece que é ele, aquele amor de alguns milhares de anos atrás que está sussurrando aos meus ouvidos: "Eu só aceito a condição de ter você só pra mim".
    Los Hermanos só me lembra a época que eu extremamente feliz e me lembra mais ainda a época que tive que superar tamanha felicidade.
    Não direi que amei o post, ficará clichê demais. rs.
    Beijo, Ná <3

    ResponderExcluir
  6. Corre lá no Projeto Atrás do Pensamento que tem novidade.
    Beijos

    Pamela, moderadora.

    ResponderExcluir
  7. É Bruno, vocês acertaram o meu coração também, rs.

    Não sei se foi pelo som, pelas barbas, pelas belas letras. Deve ter sido a mistura de tudo. rsrs
    O Bloco é meu preferido, talvez por ter as duas músicas que marcaram uma parte da minha vida.
    Mas o 4 me faz pensar tanto. Que às vezes fico em duvidas.

    Duas histórias que se juntaram, e formaram um par perfeito, moça.

    "E a banda diz: - assim é que se faz" ;)

    ResponderExcluir
  8. Também li o post sobre ela, e todos nós sabemos que temos de conviver com as perdas, mas não nos conformarmos com ela. :/

    Gostei do post Nadine! Beijos :*

    ResponderExcluir
  9. "...um tal de Marcelo Camelo"? Nadine adorei, de uma maneira geral você encantou os meus olhos ao criar essas articuladas palavras sobre a sua história de amor com esse tal de Los Hermanos... E até mesmo agora você o aprecia, depois de tanto tempo ouvido a voz desses barbudos. Adorei

    ResponderExcluir
  10. Há Nadine, talvez seja isso mesmo. talvez exista medo. =)


    Beeijos flor..!!

    Marcela Alves

    ResponderExcluir
  11. Tambem amo as composiçoes desses caras! *-*

    ResponderExcluir
  12. Também amooooooo Camelo, acho ele super especial, e algumas músicas também foram alento para minha adolescência - e por que não? - e para minha hãn, digamos, maturidade tardia.

    beijoca

    ResponderExcluir
  13. Fora o post incrível sobre os hermanos , que eu tanto aprecio, diga-se de passagem, acho que descobri um dos prováveis motivos pra eu te achar tão interessante. Confesso que fiquei extremamente emocionada com o texto para a Ana. Coincidência ou falta de sorte, sei exatamente o que cada palavra daquela significava porque passei pelo mesmo tipo de situação. Enfim, descobri que a gente tem mais - muito mais - incomum do que eu achava que tivesse.

    Beijos, Nadine.

    ResponderExcluir

"Um sorriso que derreta satélites e corações gelados."