dezembro 26, 2014

Duas ou mais coisas sobre ela

     
           feito pra mim  por: Fernanda Paes

Nada do que eu quis ser um dia eu me tornei. Sinto que estou anestesiada diante da vida e meus sonhos evaporaram na minha frente. Olho para trás e só vejo escombros, olho para frente e não vejo ninguém. Agora, estou de mãos atadas com a solidão. Incontáveis sensações me consumem, sinto tudo e não sinto nada. Esforço-me para falar e ao mesmo tempo conter o choro, desatar os nós na garganta, os apertos que enjaulam o coração. Não sei quando minha alma adoeceu essas dores já não cabem mais em mim. 

Metade de mim não quer existir. A outra metade busca motivos que não virão. Na dança da tristeza, não tenho par. Não há ninguém que me compreenda sem me julgar.

Duas ou mais coisas sobre ela:
1. Sou fodidamente egoísta
2. Invejo os suicidas
3. Sofro de excessos, excessos de vazios
4. Você é louca - a única verdade que me disseram.

Nadine


escrito ao som de Boogarins: 
"Só agora descobri a falta das notas que nunca ouvi, que soam como um corte, um corte em mim. 
Eu nunca mais fui eu, eu nunca mais lembrei de mim. O mundo se esqueceu, eu não sei mais o que é sentir. 
Eu vivo entre o sonho, a morte e o fim." 

dezembro 25, 2014

ou não

Sirlanney 

2015:
ir ao show do Interpol 
terminar a filmografia da Natalie Portman
encontrar a paz, Minas Gerais
sobreviver 

dezembro 11, 2014

bom par

Brilho Eterno de Uma Mente Sem Lembranças

Você entende minhas frases que ficam pela metade, toda vez que me perco nos seus olhares e nossas mãos se tocam lentamente. Nossas barreiras revelam mais do que somos capazes de dizer, iniciando essa intimidade desconcertante.
E se eu te contasse que tem sido meu segredo, amor imaginário igual aos filmes que gostamos. Na alegria e na insônia, quero me esconder debaixo do seu lençol, entre coxas e vinho barato, te beijar intensamente, confundir gemidos. Eis que esquecemos o caos dentro e lá fora, juntos cessamos nossas angústias. Cada vez mais você permeia meus pensamentos.
Não quero ter medo dessa corda bamba que estou me equilibrando. Ainda desconheço sua história tanto quanto você a minha. E te quero tanto quanto você me quer. O que estamos esperando?

Nadine

 “Dessa vez vou ser um bom par.” (Moptop)

dezembro 05, 2014

Visceral

parte III do fim

Nunca tive nada para te oferecer além das minhas palavras, e por isso, queria escrever algo bonitamente triste que te fizesse chorar uma noite inteira ou o resto da vida, como se você fosse capaz de tal ato. Queria roubar teus sonhos e sujar a cidade com teu nome. 

As palavras oscilam em mim, me salvam e me afogam. Sinto vontade de abandoná-las, como já fiz tantas vezes. Ou foram elas que me abandonaram? Eu minto pra mim: não há mais o que dizer, mas em silêncio me pergunto os motivos dessa traição. Quando falo em traição, me refiro à traição das palavras.

Não havia nada carnal em jogo, era só minha alma. Não diga a quem te ama que ela não pode te fazer feliz. Isso é imperdoável. Não diga que me ama se não quer continuar me amando. Isso é intragável. Porque me amar é algo difícil demais para você. Não só você, desde o berço encaro despedidas. 

Tantas vezes duvidei do que eu sentia, tantas vezes pensei em desistir, você sabendo ou não das minhas intenções sempre me convenceu a ficar, eu jamais conseguiria o mesmo. Muito tempo em vão se esforçando para mostrar que algo era real. Eu fui apenas uma ilusão na sua falsa liberdade, um estrago no seu cotidiano ideal. Sinto muito, nunca quis entrar na sua vida. 

Eu juro!

Foi você que me encontrou que me concertou, apenas para me quebrar novamente. Procurei o esquecimento, e só encontrei desesperança. Esvaziei-me de você, de mim. Todos os nós se foram. No final dos contos, é apenas sobre mim. Não faz diferença, porque você não me lê, nem lembra que um dia eu existi em você. Não há nada de bonito aqui, muito menos o que nos faça chorar.

Nadine 



You're the lucky ones



Sombras se acomodam sobre o lugar que você deixou, 
nossas mentes estão aflitas com o vazio. 
E se vocês ainda estão respirando, vocês são sortudos, 
porque a maioria de nós está arfando através de pulmões corrompidos. 
Incendiando nossos interiores por diversão, 
coletando os nomes dos amores que deram errado. 
Nós somos a juventude selvagem, perseguindo visões do nosso futuro.
E se você ainda estiver sangrando, você é sortudo,
porque a maioria dos nossos sentimentos estão mortos e acabados. 
Eu sou apenas uma silhueta, um rosto sem vida que você vai esquecer logo.
Meus olhos estão marejados pelas palavras que você deixou,
ecoando em minha cabeça, quando você destruiu meu peito.
E se você está apaixonado, então você é sortudo,
porque a maioria de nós teve o coração partido.
Incendiando nossas entranhas por diversão,
para distrair nossos corações para não ter saudades. 

(Youth - Daugther)

dezembro 01, 2014

leonina

eu

preliminares e avanços
afastando-se por menores
sua inocência sedutora

eu admiro você

pequena espiã
nossa conexão
é estepe para pretensão

uma posição prepotente

a distância favorece
a imaginação
faz

você cogitar ações
posições
maneiras de conter o desejo

eu gostaria
de tocar você
através de deslizes ímpares.

- A. L. 

novembro 26, 2014

Anatália


Você se foi há dez anos, desde então me sinto perdida, uma estrangeira nisso que chamam de vida. Desajustada e sozinha. Nos primeiros anos, eu desejei arduamente durante noites e noites insones poder voltar no tempo e impedir sua partida, ainda desejo. Meu coração se divide: numa saudade infinita, seu sorriso doce e intacto, na minha dor de existir. E ainda espero outro sonho com você, daqueles que sentirei seu abraço ao acordar, tão forte e real. Não importa quanto tempo passe, pode chegar aos 50, 80 anos, chorarei como se tivesse 12, doerá como se fosse agora, e continuarei te amando como sempre amei. 



"Enquanto eu respirar vou me lembrar de você." (O Teatro Mágico)

novembro 17, 2014

It's time for a change of heart

parte II do fim

Amores esquecidos, mas guardados no lado frágil do coração. Desenhados no papel, os que bagunçaram e confundiram a beleza da imperfeição. Amores inacabados, separados por cidades, ruas que não se encontram, escolhas, destino. Os que doeram, e ainda assim viveríamos tudo de novo. 

Sou grata por você não ser nenhum deles, por não fazer parte de alguma história pela metade... Se fizesse, eu não seguiria em frente, continuaria te amando e te esperando no meio do vazio, como fiz todos esses anos. 

O que existe entre nós é o fim, bem passado e nada mais. Não há perguntas, silêncio, futuro, mal entendidos, saudade, perdão. Eu sigo, feito passarinho livre da gaiola. Estou livre e completa. 

Você foi o primeiro de abril mais longo que já tive... Tão amargo rapaz. Eu não posso ficar com você porque sou muito intensa para me contentar com suas migalhas de sentimentos. Ou ama por completo ou não tente amar. 

Você tem razão, eu não sirvo para você, porque você é você, e eu não gosto de covardes e desalmados. Meu coração selvagem está cansado de amores brutos. 

Nadine

"Estou indo muito bem sozinha, 
porque sei agora que isso é o certo para mim.
Tive que salvar meu coração, 
salvá-lo de todos os seus jogos maldosos.
Amarro as cordas do meu coração, 
eu desamarro as cordas do meu coração."

Título: Interpol.

novembro 06, 2014

Cajuína

Mossoró - RN, 08 de Setembro de 2014 

bem meu, para você meu bem

      Sou péssima com inícios, assim como em finais, não apenas em cartas, mas acho que em quase tudo nessa vida. [...] Tivemos nossas diferenças, alguns afastamentos, que talvez tenha sido necessário e que de alguma forma nos fez bem, e agora só você podia me ajudar a encarar dias difíceis. Não esquecerei isso e vou ser sempre grata pelas palavras. 
      Acho que me vejo em você, talvez por sermos um tanto escritoras, porque precisamos rabiscar nossos sentimentos para não sufocarmos, e além da nossa ligação de anos, esse foi um dos motivos que pensei que só você fosse me entender naqueles momento fundo do poço [...]. Se não fosse por nossas conversas, eu teria enlouquecido, e dessa vez, não teria banho frio ou rock'n roll que me salvasse. Nesses momentos, a gente precisa de um amigo, e não importa se você nunca o viu, nunca pôde abraçá-lo e agradecer olhos nos olhos.
       Agora entendo que ter um "coração partido" depois dos 20 é bem diferente de quando temos 16, 17. Talvez seja mais fácil superar, devido ao amadurecimento, aprendizado; talvez mais difícil perdoar. Veja bem, acho que é preciso manter algumas feridas abertas e próximas, temos que anestesiar a dor, mas não podemos esquecê-las totalmente jamais. Só assim para impedirmos que nos machuquem da mesma forma outra vez... Se é que é possível impedir, eu espero que sim.
       Quando me perguntam como me sinto, sempre digo o mesmo: estou bem. Na verdade, estou como sempre estive: os sentimentos à flor da pele, com tanta intensidade que não consigo carregá-los, e por isso transbordo, escrevo. Você também é assim? 
        Amar, não deveria ser um peso jamais.


Te envio essas palavras tortas com muito carinho.
Nadine 


Feliz aniversário, moça! 
"Procure dividir-se em alguém, procure-me em qualquer confusão." 

novembro 02, 2014

Procura-se Pedro


Pedro estava sumido, da banca de jornal, da fila do pão, do botequim da Avenida Dutra. De longe, por várias vezes pensei tê-lo visto naquela esquina, de nada adiantou correr, o perdi de vista, o perdi na vida. 

Dentro da noite, Pedro sumiu. Quarto solitário em tons pastel, o cigarro pós-transa não existe mais.

Mentiras que conto em segredo. Quem sumiu noite adentro fui eu. Quem pegou o primeiro táxi para lugar nenhum. Quem deixou o bilhete mal escrito... Eu.

Procura-se Pedro numa cidade onde ele não está. E o que tenho feito de mim nessa busca? Morrendo um pouco a cada dia, cortando raízes por medo de suas profundezas. 

Pe-dro. Nunca mais te verei em dias preguiçosos. Eu me perdi no instante que te abandonei.

L.

(Erllen Nadine)

outubro 04, 2014

Pierrot


— Uma temporada no inferno.
— O amor precisa ser reinventado.
— Vida real é outra coisa. Séculos incontáveis atravessam à distância, como tantas tempestades.
— Eu a abracei forte e chorei.
— Foi nosso primeiro, nosso único sonho.

— Vá embora.
— Nunca.
— Enquanto eu seja "eu".
— E você seja "você".
— Enquanto o universo segurar nós dois.
— Eu, que te amo.
— Você, que me rejeita.
— Enquanto quisermos correr.
— Parece muito com o destino.

Olhos: Paisagens humanas.
Boca: Onomatopeia que termina sendo linguagem.

— Por que parece tão triste?
— Porque você fala comigo com palavras, e eu te olho com sentimentos.
— Conversar com você é impossível. Você nunca tem ideias, só sentimentos.
— Eu tinha razão cinco anos atrás. Nós nunca nos compreendemos.

O Demônio das Onze Horas (1965), de Jean-Luc Godard


setembro 30, 2014

Retalhos

   Fernanda Paes 

parte I do fim

Você quase me fez acreditar:

que no meio dessa bagunça você me escolheria. E se tivesse escolhido, eu seria para sempre a escolha errada. Entre tanto e eu... Você escolheria o nada ao invés de mim; e que me amaria a qualquer custo, sem rejeitar meus defeitos. Não te culpo. Como aceitar meus dilemas e conflitos internos, se nem eu mesma consigo? Não fui seu tipo de clichê favorito para você me incluir nos seus planos, bobos e fantasiosos, e ainda assim quis fazer parte deles.

Eu quase me fiz acreditar:

que não te usaria como âncora para fixar nos meus pensamentos e escrever essas bobagens. Dos meus desamores, você é o único que não merece fazer parte das minhas curvas linhas; e que a saudade não vale a pena. Só levo o arrependimento, moreno. Arrependimento é um tormento irremediável. 

Erllen Nadine

Bilhete de bolso II

Te envenenei com meu egoísmo.
No seu coração não há mais espaço para o meu afeto.
Estou partindo, primeiro em pedaços,
depois para longe de você.

E.

Rayane Ribeiro

Estou à deriva


Sou um barquinho na correnteza, 
esperando menos tempestades dentro de mim.

Erllen Nadine


Magra de Ruim

Bilhete de bolso

Por que me machucou todas às vezes que
havia inúmeras chances de evitar meu dilaceramento?

[não há resposta]

E.

Angie Wang

setembro 15, 2014

Monólogo


Aceito histórias de amor para escrevê-las.
As minhas me abandonaram, 
me deixaram a ver navios, eu vivo de vazios.
Para onde foram as cicatrizes?
Devorada pelo tempo, aqui estou.
Pedindo arrego, um sossego, uma prova de amor.

Ainda há tanto amar(go) em mim.

Nadine

setembro 04, 2014

Qualquer dia frágil como hoje


Nota: não é saudade, é alívio. It's glorious

Em uma avenida vazia, nossa despedida ocorreu cinco anos atrás. Ainda me lembro das ruas, bebidas, datas, diálogos, mas é preciso me esforçar para lembrar o teu rosto. 

Sua imagem é sempre um borrão, como em um sonho fragmentado. Só consigo ver teus olhos apertados, e então, você se desfaz.

Às vezes penso que qualquer dia frágil como hoje, irei te encontrar em algum lugar improvável: numa estrada perdida, num barco a deriva. 

Talvez eu reconheça o olhar que habita o âmago das minhas memórias. Talvez você veja em mim aquela garota do cabelo meio roxo. Talvez a gente se esbarre e talvez nada. Vou sentir que te conheci em outra vida. E continuaremos andando...

Será que ainda me vê? E assim? Como uma lembrança distorcida, que assombra para não ser esquecida totalmente. Em raros momentos de loucura, eu procuro teu rosto nos meus sonhos.

E. N.

"Eu teria te amado, para sempre." (Alice - Closer)

agosto 29, 2014

O abismo de Laura


Ao som de El Pintor (Interpol).

Eu acendi mais um cigarro, enquanto ela olhava para estrelas que começavam a desaparecer. Ela insistia em entrar no mar, queria provar que estava tão frio e solitário quanto a sua alma. Eu sei, dava pra sentir.

Era nítido o quanto ela estava perdida: em seu sorriso mudo, seu olhar triste fitando as ondas, seus passos leves em câmera lenta, como se estivesse em um filme francês melancólico, esperando ser retirada dele para viver... Ou morrer.

Disse-me mais tarde que chorou enquanto estava numa fila de supermercado, tinha tantos motivos que nem sabia por qual. Entrou em um ônibus sem ter aonde ir. Ficou uma hora embaixo do chuveiro desligado, pensando, não se sabe em quê.

É na beira do abismo que ela se equilibra. É nas ironias do destino que ela se apega. Seu vazio está cheio de poesia. Ela queria fugir. Como fugir dela mesmo?

Eu queria ser personagem de um conto, eles sofrem, mas não sentem dor.
No entanto, Laura é tão real quanto eu.

Erllen Nadine

"O problema dos solitários, é que eles nunca estão sozinhos." 
(Boy Meets Girl, Leos Carax)

janeiro 25, 2014

Alice


— Como o deixou?
— O único jeito de ir embora: "Eu não te amo mais, adeus".
— Suponhamos que ainda o amasse.
— Eu não iria embora.
— Nunca largou ninguém que amasse?
— Não.

— Eu teria te amado, para sempre.
— Eu te amo.
— Onde? Me mostre. Onde está esse amor? Eu não consigo vê-lo, tocá-lo, senti-lo. Consigo ouvir algumas palavras, mas não posso fazer nada com suas palavras fáceis.

Closer (2004), de Mike Nichols

janeiro 20, 2014

Fragmento III

da série: Janeiro, tudo fora de lugar.

No nosso livro de memórias ainda havia muitas páginas em branco,
mas nenhuma história para ser escrita.
Obrigada por colocar um ponto final. no meio de uma frase não dita.
Eu não conseguiria tal ato.

Goodbye nas (entre)linhas.

Nadine



janeiro 17, 2014

Fragmento II

da série: Janeiro, tudo fora de lugar.

Sonhei que a saudade era uma cor,
que desbotava pelos olhos.

Nadine

Hector Vargas 

janeiro 13, 2014

Fragmento I

da série: Janeiro, tudo fora de lugar*.

Eu te perdoei por egoísmo,
para livrar minha alma de dores e mágoas constantes.
Te inventei para ocupar meu coração vazio.
Eu não te amo mais.

Só sei mentir durante alguns segundos.

Nadine



*Transmissor.