30 setembro, 2014

Retalhos

   Fernanda Paes 

parte I do fim

Você quase me fez acreditar:

que no meio dessa bagunça você me escolheria. E se tivesse escolhido, eu seria para sempre a escolha errada. Entre tanto e eu... Você escolheria o nada ao invés de mim; e que me amaria a qualquer custo, sem rejeitar meus defeitos. Não te culpo. Como aceitar meus dilemas e conflitos internos, se nem eu mesma consigo? Não fui seu tipo de clichê favorito para você me incluir nos seus planos, bobos e fantasiosos, e ainda assim quis fazer parte deles.

Eu quase me fiz acreditar:

que não te usaria como âncora para fixar nos meus pensamentos e escrever essas bobagens. Dos meus desamores, você é o único que não merece fazer parte das minhas curvas linhas; e que a saudade não vale a pena. Só levo o arrependimento, moreno. Arrependimento é um tormento irremediável. 

Erllen Nadine

Bilhete de bolso II

Te envenenei com meu egoísmo.
No seu coração não há mais espaço para o meu afeto.
Estou partindo, primeiro em pedaços,
depois para longe de você.

E.

Rayane Ribeiro

Estou à deriva


Sou um barquinho na correnteza, 
esperando menos tempestades dentro de mim.

Erllen Nadine


Magra de Ruim

Bilhete de bolso

Por que me machucou todas às vezes que
havia inúmeras chances de evitar meu dilaceramento?

[não há resposta]

E.

Angie Wang

15 setembro, 2014

Monólogo


Aceito histórias de amor para escrevê-las.
As minhas me abandonaram, 
me deixaram a ver navios, eu vivo de vazios.
Para onde foram as cicatrizes?
Devorada pelo tempo, aqui estou.
Pedindo arrego, um sossego, uma prova de amor.

Ainda há tanto amar(go) em mim.

Nadine

04 setembro, 2014

Qualquer dia frágil como hoje


Nota: não é saudade, é alívio. It's glorious

Em uma avenida vazia, nossa despedida ocorreu cinco anos atrás. Ainda me lembro das ruas, bebidas, datas, diálogos, mas é preciso me esforçar para lembrar o teu rosto. 

Sua imagem é sempre um borrão, como em um sonho fragmentado. Só consigo ver teus olhos apertados, e então, você se desfaz.

Às vezes penso que qualquer dia frágil como hoje, irei te encontrar em algum lugar improvável: numa estrada perdida, num barco a deriva. 

Talvez eu reconheça o olhar que habita o âmago das minhas memórias. Talvez você veja em mim aquela garota do cabelo meio roxo. Talvez a gente se esbarre e talvez nada. Vou sentir que te conheci em outra vida. E continuaremos andando...

Será que ainda me vê? E assim? Como uma lembrança distorcida, que assombra para não ser esquecida totalmente. Em raros momentos de loucura, eu procuro teu rosto nos meus sonhos.

E. N.

"Eu teria te amado, para sempre." (Alice - Closer)