janeiro 23, 2015

O amor nos versos da nossa adolescência

(desconheço autoria)

Ao primeiro amor...

Além de beijos na nuca, despedidas em aeroportos e rodoviárias também são meu ponto fraco. Agora entendo toda aquela náusea... Eu sempre embarquei pro lugar errado.

Amei-te dos quinze aos dezessete e um pouco mais. Um pouco sempre. Nos meus devaneios, você sempre me esperou, e um dia nos encontraríamos para vivermos tudo aquilo que não foi permitido. Separados pela vida, nunca por ausência de sentimentos. 

O amor nos versos da nossa adolescência. Um romance que ninguém nunca lerá. 

Depois de você, meu coração ficou tão quebradiço, corrompido por mentiras, rejeitando pedidos de perdão, carregando gritos contidos. Como posso esquecer certas coisas? Se não me liberto das sombras que levo por dentro?

Imagino teus passos, olho pra toda direção, desejando que você apareça e que possa me salvar disso tudo. Alguns anos depois você veio, numa tarde do mês de junho. Ninguém previu a confusão que faríamos, aflorando tudo em nós.

"Eu tinha esquecido você, estou sentindo tudo de novo" eu dizia e te beijava. "Você é linda" você dizia e me despia. 

Mala, chaveiro, vazio. A manhã fria me levou e depois você se foi. Nos meus sonhos, anseio pelo nosso reencontro em alguma curva do destino, esperando o momento certo: ninguém precisará partir.

... Talvez o único. 

Nadine

"Você parece tão jovem, como uma margarida nos meus olhos preguiçosos."
(escrito ao som de Interpol)

Um comentário:

  1. Esse grande amor que marca que chega até corroer, mas nos faz feliz por lembrar dos momentos bons.
    Beijos.

    ResponderExcluir

"Um sorriso que derreta satélites e corações gelados."