16/04/2017

Um destinatário sem endereço


"Eu não me arrependo de você. 
Não, nada irá neste mundo apagar 
o desenho que temos aqui." 
(Caetano Veloso)

    Eu te escrevi algumas vezes, cartas sem endereço que foram desfeitas minutos depois. Após algum tempo, escrevi novamente, mas não conseguia finalizar, sempre faltava algo: um sentido, uma frase que não podia ser dita; talvez o ponto final não existisse para nós. Não sei por que logo hoje, algo embaçou meus olhos e cortou minha garganta, e não foram as palavras, essas que já não existem.
     Estou aqui porque pensei em você, sem remorso ou mágoa, juro que não doeu. Eu pensei em você de um jeito doce, como quando caminhamos nervosamente entre árvores ou ouvimos o som do mar, por um breve instante de paz. Lembrei de uma vez em que escutei seu sotaque numa fila de embarque, quis tanto que fosse você. Depois quase reconheci sua sombra dobrando a esquina, onde vi pela última vez seus grandes olhos brilhantes me encarando. Equilibrei-me no meio fio e segui em frente, embora eu nunca tenha saído do mesmo lugar.
     Há muito tempo deixei de me martirizar, me perdoei e te perdoei, por tudo de ruim que fizemos a nós mesmos, lá... Desde o início. Quem sabe um dia você me perdoe também. Talvez tenhamos feito à decisão mais sensata das nossas vidas (provavelmente a mais estúpida também). Só desejo que você esteja bem. Eu te amei muito, ouso dizer que 




Um comentário:

  1. Que musica destruidora. <3
    E que carta cheia de saudades, arrependimentos, vontades...
    Quando há perdão o sentimento (lembrança) volta a ser bonito.

    :*

    ResponderExcluir

"Um sorriso que derreta satélites e corações gelados."