13 agosto, 2017

Vou nunca mais ter nascido em agosto



Queria viver e (re)amar, não necessariamente nessa ordem.
Optou silenciosamente por guardar seu resto de felicidade. 
Depois, quis morrer tantas vezes, que já nem planejava mais.
Hoje não, hoje queria deitar na beira do mar e dizer coisas sem sentido.

Paixão, saudade, não sabe que fins levaram. 
Precisaria de cinco minutos para resumir a vida, 
mas levaria o resto da mesma para dizer o que se sente, 
embora quase já não sinta.

Queria escrever.
Mas não havia nada que justificasse as linhas. 
Só hoje aprendeu que um coração partido dói menos que um vazio.
Quem diria que feridas seladas dariam nisso. 

- N.


Título: Manoel de Barros. 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

"Um sorriso que derreta satélites e corações gelados."