28 março, 2010

Insônia



A janela está um pouco aberta, apenas a luz da lua clareia o quarto e eu sinto uma leve brisa de inverno, já é madrugada e eu não consigo dormir; eu fecho os olhos, tento não pensar em nada, o que é impossível, e de novo e de novo, me sento na cama, depois levanto e ando devagar, bebo água, volto a me deitar, mas o sono continua sem chegar. Pego papel e lápis para escrever qualquer coisa, jogar para fora sentimentos, cuspir em cima deles, depois rasgá-los; mas os rabiscos podem até ser rasgado, o sentimento não. Vem tudo para perto de mim: Você, seu riso, sua voz, as ilusões, delírios, menos minhas noites bem dormidas. Se alguém encontrar meu sono vagando por aí, por favor, o manda bater na minha porta.

Erllen Nadine

Um comentário:

  1. 'mas os rabiscos podem até serem rasgados, o sentimento não.'
    adoooooorei!
    Insônia destrói mesmo, trás lembranças demais s;

    ResponderExcluir

"Um sorriso que derreta satélites e corações gelados."