04/06/2011

Era Beatriz, não era Laura

Sessão VI – Laura e Pedro
Um, dois, três... anos.

No começo, o desespero, a espera. Depois, a cama e o cinzeiro preenchidos; coração e copos vazios. Pedro procurou Laura em outros corpos, outros fios de cabelos, olhares, coxas rígidas, sorrisos paralisantes, piadas irritantes, histórias absurdas. Jamais a encontrou.

Do outro lado, o queixo erguido, salto 7, assim Laura aguentava as surras da vida. Apareceram outros caras, outros gostos; nenhum teve importância alguma. Dúvidas e perguntas prevaleceram. A resposta era sempre a mesma: “Eu não nasci pra amar”.

Ele sabia, que uma hora tinha que seguir em frente. Foi o que fez, ou pelo menos estava tentando fazer. Conheceu uma garota, que o fez sorrir. Qualquer um diria que ela era perfeita. Ou quase. O nome dela? Beatriz. E por isso era quase: Era Beatriz, não era Laura.

Erllen Nadine

"Ao lado dela, o brilho de Beatriz desaparecia, ofuscado por uma dor que ela ou ele só seriam capazes de compreender mais tarde, se houvesse tempo. E não havia." (Caio F.)