19/02/2012

A vida íntima de Laura

Mirage 

"Vida íntima quer dizer que a gente não deve
contar a todo o que se passa na casa da gente."
(Clarice Lispector)

Ela não havia mudado muito desde a última vez que a vi exceto pelo cabelo mais escuro e o batom mais vermelho. Ainda possuía o mesmo encanto destruidor. Da sua janela saíam os acordes das bandas undergrounds de Nova York; e os sábados era sua fuga, uma espécie de suicídio para as lembranças, afogadas em cada dose de bebida.

Eu levei semanas para descobrir seu nome, e levaria anos para saber sobre sua vida. No entanto, havia três momentos em que eu sabia exatamente quem ela era.

No bar: eu servia sua bebida, acendia seu cigarro, então falávamos sobre o 'lirismo dos bêbados, dos clowns de Shakespeare', das Mulheres de Bukowski. Éramos amantes, e não seríamos mais que isso.

Na sala: quando eu a fazia perguntas, o silêncio que escorria era a resposta. Ela amava alguém, e por algum motivo não podia mais tê-lo. Pensava nele todos os dias, embora não quisesse.

Na cama: eu gostava de vê-la arrepiada, toda vez que eu beijava sua nuca. Seu coração e corpo despidos em cima do meu, eu tragava teus beijos até o fim.

Laura é um abismo, um abismo irresistível. Ela é inconstante e uma fonte de histórias pela metade. E minha única certeza é que ela é das mulheres que destrói a vida de qualquer um.

Erllen Nadine

"Tão errada. Tão bela. Tão má. Tão Laura." (Jennifer Lynch)

___________________________________________________________________________________________

*Laura pertence a esse conto e nasceu aqui.
**O título é o mesmo de um conto da Clarice, a única coisa em comum.
***A citação dentro do texto é de Manuel Bandeira.
****Mulheres (1978) é um romance de Charles Bukowski.