20/08/2010

Pouco a pouco

"É tão bom, morrer de amor e continuar vivendo."
(Mário Quintana)

Nesse momento, sinto como se eu tivesse arrancado um peso de dentro de mim. Todo esse peso que habitava meus pensamentos, minha alma e o meu coração... Era você. As noites de insônia foram embora, pela janela do segundo andar; as lágrimas que ficaram por dentro, não sentem nenhuma necessidade de sair. O que eu sentia por você, aos poucos foi esfriando, de tal maneira, que nem café consegue aquecer. Não me pergunte como as coisas tomaram esse rumo, nem eu sei. Eu só precisava pensar mais em mim; cansei de sofrer e de te esperar, não tenho mais capacidade para isso. Pois é, um dia a gente cansa de correr e não chegar a lugar nenhum. E agora, o meu coração que você fez parar - pouco a pouco está voltando a bater.

Erllen Nadine